Metrô

Postado por em 15 out, 2013 - Textos

Ele entra no metrô.
Não há lugar para sentar. Ele resolve ficar em pé, ao lado da porta.
Nos ouvidos, fones lhe trazem sons, sentimentos, melodias e memórias.
Muitas estações até seu destino.

De repente, percebe que uma mulher está olhando em sua direção.
Fica sem graça, mas gosta. Sente-se desejado, bonito.
Finge que não percebe e que não está nem aí para o olhar dela.
Vira a cabeça. Seus olhos percorrem outras pessoas.
Ele percebe que, além daquela mulher, há outras pessoas que estão olhando em sua direção.
Sente-se ainda mais bonito.
Além disso, sente-se especial.
Sente que os olhos de todas aquelas pessoas estão determinados ao deleite de sua imagem.
E que bela imagem ele sente que tem nesse momento.

Algumas estações a mais e aquilo continua.
Ele resolve parar de fingir que não sabe sobre o olhar das pessoas em sua direção e resolve investigar.
Resolve olhar para as pessoas.
Escolhe a primeira mulher que ele viu lhe olhar.
Olha pra ela.
Nesse momento, ele percebe que o olhar dela mira um local um pouco acima de sua cabeça.
Ele, imediatamente, olha pra cima.
Lá está uma TV.

Sente-se envergonhado, ridículo, pequeno.
Seu constrangimento é tão grande que ele resolve mudar de vagão.
Ele sai sem perceber que, naquela TV passava a história da sua vida. Completa.
E era por essa historia que todos aquelas pessoas se encantavam.

Mas ele não quis ver sua linda história.
Foi embora sem se ver.

metro